a OBSERVATÓRIO DA PAX: Outubro 2016

domingo, 30 de outubro de 2016

UE: Bispos católicos recordam os 119 milhões de europeus em risco de pobreza e exclusão social | Agência ECCLESIA

Bruxelas, 28 out 2016 (Ecclesia) - A Comissão dos Episcopados Católicos da União Europeia (COMECE), da qual Portugal faz parte, concluiu hoje a sua assembleia plenária com um alerta a favor dos “mais pobres” do Velho Continente.

Nas conclusões do encontro, enviadas à Agência ECCLESIA, aquele organismo salienta que cerca de “119 milhões de europeus, quase um quarto da população no território, vivem hoje com o risco da pobreza e da exclusão social”. (Mais ...)

Agência ECCLESIA

Etiquetas: ,

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Pax Christi International calls for international community to assure Mosul does not become another place of agony in the Middle East


Pax Christi International

Etiquetas: , ,

Pap Francisco: Todos são chamados a acolher os irmãos e as irmãs que fogem da guerra, da fome, da violência e das condições de vida desumanas

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Prossigamos a reflexão sobre as obras de misericórdia corporais, que o Senhor Jesus nos confiou a fim de que a nossa fé se mantenha sempre viva e dinâmica. De facto, estas obras tornam evidente que os cristãos não estão cansados nem são preguiçosos na expetativa do encontro final com o Senhor, mas que todos os dias vão ter com Ele, reconhecendo o seu rosto naquele de tantas pessoas que pedem ajuda. Hoje meditemos sobre esta palavra de Jesus: «Era estrangeiro e acolhestes-me; estava nu e vestistes-me» (Mt 25, 35-36). No nosso tempo é atual como nunca a obra relativa aos estrangeiros. A crise económica, os conflitos armados e as mudanças climáticas impelem muitas pessoas a emigrar. Contudo, as migrações não são um fenómeno novo, mas pertencem à história da humanidade. Consiste em falta de memória histórica pensar que elas sejam próprias apenas da nossa época.

A Bíblia oferece-nos muitos exemplos concretos de migração. É suficiente pensar em Abraão. A chamada de Deus impeliu-o a deixar o seu país e ir para outro: «Deixa a tua terra, a tua família e a casa de teu pai e vai para a terra que eu te mostrar» (Gn 12, 1). E assim aconteceu também para o povo de Israel, que do Egito, onde era escravo, caminhou durante quarenta dias no deserto até alcançar a terra prometida por Deus. A própria Sagrada Família — Maria, José e o menino Jesus — foi obrigada a emigrar para fugir das ameaças de Herodes: «José levantou-se durante a noite, tomou o menino e sua mãe e partiu para o Egito. Ali permaneceu até à morte de Herodes» (Mt 2, 14-15). A história da humanidade é feita de migrações: em cada latitude não há povo que não tenha conhecido o fenómeno migratório.

A propósito, durante os séculos assistimos a grandes expressões de solidariedade, embora não tenham faltado também tensões sociais. Hoje, o contexto de crise económica infelizmente favorece o emergir de comportamentos de fechamento e não acolhimento. Nalgumas partes do mundo erguem-se muros e barreiras. Às vezes parece que a obra silenciosa de muitos homens e mulheres que, de várias maneiras, se prodigalizam para ajudar e assistir os refugiados e os migrantes seja obscurecida pelo rumor de outros que dão voz a um egoísmo instintivo. Contudo o fechamento não é uma solução, pelo contrário, acaba por favorecer os tráficos criminosos. A única solução é a solidariedade. Solidariedade com o migrante, solidariedade com o estrangeiro...

Hoje o compromisso dos cristãos neste âmbito é urgente assim como era no passado. Observando só o século passado, recordamos a admirável figura de Santa Francisca Cabrini, que dedicou a sua vida juntamente com as suas companheiras aos migrantes rumo aos Estados Unidos da América. Também hoje precisamos destes testemunhos a fim de que a misericórdia possa alcançar muitos necessitados. É um compromisso que envolve todos, sem exclusão. As dioceses, as paróquias, os institutos de vida consagrada, as associações e os movimentos, assim como cada cristão, todos são chamados a acolher os irmãos e as irmãs que fogem da guerra, da fome, da violência e das condições de vida desumanas. Todos juntos somos uma grande força de apoio para quantos perderam pátria, família, trabalho e dignidade. Há alguns dias aconteceu uma pequena história urbana. Havia um refugiado à procura de uma rua e uma senhora aproximando-se dele, disse-lhe: «O senhor está a procurar algo?». O refugiado, que estava descalço, respondeu: «Gostaria de ir à praça de São Pedro para atravessar a Porta Santa». E a senhora pensou: «Mas sem sapatos como fará para caminhar?». E chamou um táxi. Mas o migrante, aquele refugiado cheirava mal e o motorista do táxi quase não o deixava entrar, mas no final aceitou levá-lo. E a senhora, ao lado dele, durante o percurso perguntou-lhe sobre a sua história de refugiado e de migrante: dez minutos para chegar à praça. O homem narrou a sua história de dor, de guerra, de fome e a razão pela qual fugiu da sua pátria para migrar para aqui. Quando chegaram, a senhora abriu a bolsa para pagar o táxi e o taxista, que no início não queria que o migrante entrasse porque cheirava mal, disse à senhora: «Não, senhora, sou eu que devo pagar-lhe porque me fez ouvir uma história que mudou o meu coração». Esta senhora sabia o que significa a dor de um migrante porque tem sangue arménio e conhece o sofrimento do seu povo. Quando fazemos algo deste tipo, no início não aceitamos porque nos incomoda um pouco, «... o mau cheiro...». Mas no final, a história perfuma-nos a alma e faz-nos mudar. Pensai nesta história e pensemos no que podemos fazer pelos refugiados.

Outro aspeto é vestir quem está nu: o que significa senão restituir dignidade a quem a perdeu? Certamente, dando roupas a quem não as tem; mas pensemos também nas mulheres vítimas do tráfico obrigadas a estar pelas ruas, ou noutras pessoas, são demasiados os modos de usar o corpo humano como mercadoria, até dos menores. E também não ter um trabalho, uma casa, um salário justo é uma forma de nudez, ou ser discriminados pela raça, pela fé, são todas formas de «nudez», diante das quais como cristãos somos chamados a estar atentos, vigilantes e prontos a agir.

Queridos irmãos e irmãs, não caiamos na armadilha de nos fecharmos em nós mesmos, indiferentes às necessidades dos irmãos e preocupados só com os nossos interesses. É precisamente na medida em que nos abrimos aos outros que a vida se torna fecunda, as sociedades restabelecem a paz e as pessoas recuperam a sua plena dignidade. E não vos esqueçais daquela senhora, do migrante que cheirava mal, nem do taxista ao qual o migrante mudou a alma.

PAPA FRANCISCO - Audiência Geral. Quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Vatican.va

Etiquetas: , ,

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Pax Christi International statement on the occasion of the Action Day for Peace in Syria, 24 October

This is our message to the international community for the occasion of the Action Day for Peace in Syria on this year’s UN Day.


On this UN Day of Action for Peace in Syria, we join all friends of peace around the world in calling the international community:

1. To immediately halt all aerial attacks on Aleppo and to expedite medical evacuations and unimpeded humanitarian access. Simultaneously efforts must be encouraged to restore a nationwide ceasefire with strong monitoring and enforcement mechanisms.

2. To lift all sieges in accordance with the full implementation of UN Security Council resolutions 2139 and 2165, and to especially demand an immediate end to the “surrender or starve” siege strategy by the Syrian government. The UN should also strictly adhere to the humanitarian principles of neutrality, impartiality and independence.

3. To protect civilians and promote accountability in Syria. EU member states need to support current calls for the UN General Assembly to hold a special Emergency Session on Syria.

4. To support the hundreds of peaceful Syrian civil society organizations delivering services and laying the foundations for a future peaceful Syria. Such organizations form a middle ground in between the Syrian regime and extremist terrorist groups.

5. To impose additional coercive measures on Russia and the government of Syria if they continue to commit war crimes and crimes against humanity in Aleppo and other places in Syria.

6. To undertake bolder diplomatic efforts like the recent condemnation of Russia and the announcement of a dialogue with key regional actors to prepare the ground for a political transition and post-conflict preparations.

7. To demand that Russia stop its military support of the Syrian authorities and extend the short term cease-fire.

8. To impose an arms embargo to all warring parties in the Syrian conflict.

Syria is and will continue to be a broken, war-torn place for years to come, perhaps decades, if the international community doesn’t act more forcefully to stop the conflict. We call upon the international community to increase its support for a solution in Syria and bring the killing to an end.

Brussels, 24 October 2016

Pax Christi International

Etiquetas:

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Iraque: «Cristãos estão a ser perseguidos, yazidis estão a ser eliminados» - Irmã Irene Guia | Agência Ecclesia

Dohuk, Iraque, 21 out 2016 (Ecclesia) - A Irmã Irene Guia disse à Agência ECCLESIA que é necessário “alargar” os destinatários das campanhas de apoio às populações do Médio Oriente, nomeadamente aos yazidis que estão a “ser eliminados”.

“Os cristãos estão a ser perseguidos, mas os yazidis estão a ser eliminados”, afirmou a religiosa, responsável pelos projetos do Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS) no distrito de Dohuk, na Região Autónoma do Curdistão Iraquiano.

A comunidade étnico-religiosa yazidi é constituída por perto de um milhão de pessoas e a maioria vive no Iraque.

Perseguida por diferentes regimes, os yazidis estão a ser alvo de um genocídio desde 2014 por parte do autoproclamado Estado Islâmico.

Para a irmã Irene Guia é “aterrador” o que se está a passar com as mulheres yazidis, que estão a ser alvo de “violações, vendidas em mercados e passadas de mão-em-mão para todo o tipo de abusos”.

“Há algumas mulheres que conseguem fugir ou são compradas e são libertadas. São como escravas readquiridas para a liberdade. São escravas neste mercado de homens”, referiu a religiosa, no Curdistão Iraquiano há um mês. (...)

Para a irmã Irene Guia, as campanhas de apoio aos cristãos perseguidos devem ser desenvolvidas, mas é necessário “alargar os corações e a generosidade”.

“Que as campanhas sejam mais universais e não exclusivamente para os cristãos”, apelou.

“Não podemos ficar com o olhar exclusivo aos nossos quando vemos um povo a ser eliminado e não têm apoios internacionais”, acrescentou a religiosa. (Mais ...)

Agência ECCLESIA

Etiquetas:

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

D. Manuel Linda: O imposto é uma obrigação moral e fugir-lhe é pecado | Agência Ecclesia

Lisboa, 14 out 2016 (Ecclesia) – D. Manuel Linda, que participou na revisão científica do primeiro Compêndio da Doutrina Social da Igreja, afirmou que a “única forma” de “alguma justiça social” é a participação dos cidadãos nos impostos que permitem a garantia do Estado Social.

“Nós dizemos com muito afinco que o imposto é uma obrigação moral e fugir-lhe é pecado”, disse à Agência ECCLESIA o bispo das Forças Armadas e de Segurança [e Presidente da Pax Christi Portugal]. (Mais ...)

Agência ECCLESIA


Etiquetas:

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Europa: Comissões Justiça e Paz rejeitam «muros do medo»

Luxemburgo, 04 out 2016 (Ecclesia) - Os responsáveis pelas Comissões Justiça e Paz da Europa, organismos da Igreja Católica, apelaram hoje à rejeição dos “muros do medo” por parte dos responsáveis políticos no Velho Continente.

“Quando a segurança se separa da justiça e dos Direitos humanos, perde o seu valor positivo”, assinala o comunicado final da Assembleia Geral destes organismos, enviado à Agência ECCLESIA.

21 delegados das comissões europeias Justiça e Paz estiveram reunidos no Luxemburgo de 30 de setembro a 3 de outubro, debatendo o tema da segurança com representantes políticos, militares, das instituições comunitárias e da sociedade civil.

Nas conclusões do evento, os responsáveis apelam aos Estados-membros da União Europeia para que assumam uma “verdadeira política de paz”, baseada no desenvolvimento humano integral e numa política da “não-violência”. (Mais ...)

Agência Ecclesia


Etiquetas:

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Publicações da Pax Christi International sobre a não-violência

Espanhol

                    


Francês

Etiquetas:

Declaração da Pax Christi Internacional sobre o acordo de paz na Colômbia: O triunfo do "Não" deve ser um degrau para um processo de paz mais forte

El camino de Colombia hacia la paz: El triunfo del “No” debe ser una peldaño hacia un proceso de paz más fuerte


Pax Christi International cree que el acuerdo de paz colombiano es un paso importante en el camino hacia la paz. Reconociendo que la mayoría de los colombianos que participaron en el referéndum no apoyaron el acuerdo negociado, instamos a todas las partes involucradas a continuar el difícil proceso de lograr la paz después de tantos años de guerra, incluyendo abordar las deficiencias percibidas en relación con el proceso de justicia transicional y escuchar a las voces críticas.

A pesar de los resultados de ayer, hacemos un llamado al Gobierno colombiano, a las FARC, a la comunidad internacional y, lo que es más importante, a la sociedad civil (incluyendo a la Iglesia Católica) para que se continúe con el proceso de paz y para que se hagan todos los esfuerzos conjuntos que permitan la coexistencia y la paz justa en el país. Esperamos que el voto en favor del “No” pueda conducir a un proceso de paz en el que se aborden con más fuerza los desafíos en el camino hacia la paz.

El proceso de paz debería:

1. Abordar las causas profundas del conflicto por intermedio de los cambios socioeconómicos requeridos en tanto la paz es solamente
posible cuando los derechos humanos, el estado de derecho y la democracia son promovidos y respetados.

2. Asegurar que lo concerniente a la justicia en el Acuerdo esté en línea con el derecho internacional y que los estándares de responsabilidad y derechos de las victimas sean respetados. Las víctimas deben sentir que su dignidad sea respetada y restaurada. Sus voces deben ser claves en el proceso de justicia de transición, permitiendo que sus testimonios tengan reconocimiento público como también afirmación y reconocimiento.

3. Asegurarse de que el desarme y el abandono del tráfico de drogas, con los cuales se han comprometido las FARC, tengan lugar y que los integrantes de la guerrilla sean reinsertados a la sociedad reconstruyendo sus vidas a través de trabajo, educación y participación política.

4. Establecer iniciativas que restablezcan las relaciones y la confianza, la reconciliación y la resolución no violenta de conflictos para detener el ciclo de violencia que ha permeado todos los niveles de la sociedad.

5. Presionar al otro grupo guerrillero, el ELN, para que inicie las conversaciones formales de paz y, de igual manera, se tomen las acciones necesarias para evitar las aparición de nuevos grupos paramilitares, de modo que el frágil proceso de paz puede crecer en fuerza y profundidad.

Pax Christi Internacional

Etiquetas:

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Bishops begin historic Canterbury-Rome 'pilgrimage'

Thirty-six Anglican and Roman Catholic bishops from 19 countries are in Canterbury at the start of an historic week-long summit marking closer ties between the two traditions. Events will include a service in Rome on Wednesday (October 5) jointly led by the Archbishop of Canterbury and Pope Francis at which the bishops will be formally commissioned to work together in pairs.

Services at Canterbury Cathedral over the weekend have illustrated the deepening relationship between the Anglican Communion and the Roman Catholic Church. On Saturday the Suffragan Bishop in Europe, David Hamid, delivered the homily at a Catholic Vigil Mass in the cathedral’s Undercroft. The Roman Catholic Archbishop-elect of Regina in Canada, Don Bolen, preached the sermon at the Sung Eucharist on Sunday morning. (Mais ...)

ACNS


Etiquetas: ,

Comunicado da Comissão Nacional Justiça e Paz: «Os mais pobres dos pobres em Portugal. Que futuro?»

A Comissão Nacional Justiça e Paz publicou um comunicado a propósito do estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos sobre o impacto da crise e da austeridade nas desigualdades económicas em Portugal entre os anos 2009 e 2014.


A pobreza em Portugal tem nome de mulher, criança, jovem, idoso, desempregado/a.... Alguns factos já conhecemos e pronunciámo-nos recentemente sobre eles. Porquê, então, denunciar novamente? O estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos (coordenado pelo Professor Farinha Rodrigues) sobre o impacto da crise e da austeridade nas desigualdades económicas em Portugal entre os anos 2009 e 2014, divulgado há dias, proporciona-nos dados mais específicos ainda. As estatísticas corroboram a informação que possuíamos sobre quem mais sofre com o impacto da crise, mas traz-nos dados ainda mais preocupantes:

- os mais pobres continuam a ser os mais afectados pelas políticas de austeridade, o que reforça o comunicado da CNJP de 7 de Junho passado, explicitando que, entre 2009 e 2012, um em cada três portugueses passou pela pobreza durante pelo menos um ano;
- a desigualdade gritante no acesso à justiça mantém-se e as oportunidades de trabalho também são desiguais, com especial incidência nas mulheres e nos jovens;
- na área da saúde a situação é cada vez mais precária, pondo em risco a manutenção de um Serviço Nacional de Saúde para todos;
- os jovens perderam 29% dos seus rendimentos e muitos – alguns dos mais qualificados - foram forçados a emigrar para conseguir trabalho, contribuindo para o envelhecimento ainda maior da sociedade portuguesa;
- o índice de pobreza nas mulheres aumentou, nomeadamente daquelas que são as únicas responsáveis pela família: uma descida de 20% dos rendimentos (perante apenas 8% nos homens), para além de uma maior exposição ao risco de desemprego;
- a pobreza infantil cresceu entre 2009 e 2014, chegando ao valor mais elevado desde 2006, aumentando de 22,4% para 24,8%;
- os idosos continuam ao abandono e a engrossar o grupo dos mais pobres;
- 1/5 da população vive com menos de 420 euros;
- em cinco anos o rendimento dos 5% mais ricos passou de 15 para 19 vezes superior ao dos 5% mais pobres. (Mais ...)

CNJP


Etiquetas: ,

Comissão Nacional Justiça e Paz: Conferência anual 2016 «Sistema Fiscal e Justiça Social»

No dia 22 de outubro a Comissão Nacional Justiça e Paz (CNJP) promove a sua conferência anual sobre o tema: «Sistema Fiscal e Justiça Social».


Data e local

22 de outubro, das 9h30 às 17h30

Fundação Calouste Gulbenkian, auditório 3


Painéis e convidados

«O sistema fiscal na Doutrina Social da Igreja»: Pe. Ildefonso Camacho S.J.

«Sistema fiscal e justiça social»: Guilherme d´Oliveira Martins.

«A ética e os impostos»: João Amaral Tomaz.

«O que é uma tributação justa?»: António Bagão Félix e Manuela Silva.


Programa

Já está disponível o programa da conferência.


[programa | cartaz | inscrições]


CNJP


Etiquetas: ,

Cardinal Turkson: 'We do not stop war by starting another war'

VATICAN CITY - Pope Francis is giving "very strong recognition" to a landmark conference held at the Vatican last spring that called on the global Catholic church to reject its long-held teachings on just war theory, Cardinal Peter Turkson has said.

Turkson, the head of the Vatican's Pontifical Council for Justice and Peace, said the pontiff's decision to focus his message for World Peace Day in 2017 on nonviolent strategies to prevent and stop global violence was partly caused by the discussions at the conference.

"He's adopted this topic … as the message of peace for next year," said Turkson, referring to Francis. "We are giving a very strong recognition to the conference and to the things that were discussed and said there."

The cardinal was speaking in an NCR interview Monday in response to a question about the April event, which was co-hosted by his council and the Catholic peace group Pax Christi International.

Turkson said the participants of the conference asked the church to re-examine the concept of just war, first enunciated by fourth-century bishop St. Augustine, and "slightly begin to move away from that."

He said that while just war teachings were first developed to make wars difficult or impossible to justify, they are now used more as conditions that allow violence to be used.

"My understanding is that it was initially meant to make it difficult to wage war because you needed to justify it," said the cardinal. "This now has been interpreted these days as a war is just when it is exercised in self-defense … or to put off an aggressor or to protect innocent people."

Turkson continued: "In that case, Pope Francis would say: 'You don't stop an aggression by being an aggressor. You don't stop a conflict by inciting another conflict. You don't stop a war by starting another war.'"

"It doesn't stop," said the cardinal. "We've seen it all around us. Trying to stop the aggressor in Iraq has not stopped war. Trying to stop the aggressor in Libya has not stopped war. It's not stopped the war in any place. We do not stop war by starting another war."

Turkson said the participants at the conference promoted "another thinking:" Gospel nonviolence, or "nonviolence as Jesus was nonviolent."

"People think that this is Utopian, but Jesus was that," said the cardinal, calling Jesus' instruction to his disciples to turn the other cheek if someone were to strike them as an example of "non-aggression" in response to violence.

"From the point of view of us Christians, and talking as Christians, our master also taught us a way of dealing with violence," said Turkson. "Is it worth following what our master taught us? What he taught us is this nonviolence." (Mais ...)

National Catholic Reporter


Etiquetas: ,