a OBSERVATÓRIO DA PAX: Abril 2015

sábado, 25 de abril de 2015

A PAX CHRISTI DAQUI A 10 ANOS: O QUE QUEREMOS QUE SEJA?

A PAX CHRISTI DAQUI A 10 ANOS
O QUE QUEREMOS QUE SEJA?

A Pax Christi faz este ano 70 anos: em março de 1945, nasceu a Pax Christi por iniciativa de Mons. Théas, Bispo de Montauban, e Mme. Dortel Claudot.

Hoje somos convidados a ser criativos e a imaginar um futuro brilhante baseado nos melhores momentos da história do nosso movimento.

Membros ou não, apenas amigos ou conhecidos, todos temos uma palavra a dizer, um contributo a dar. Por favor, colabore respondendo ao pequeno questionário disponível aqui, ou clique na imagem abaixo.

Clique na imagem para responder ao questionário

O Sacramento do Batismo em Contexto Ecuménico | Comissão Ecuménico do Porto

Comissão Ecuménico do Porto - O Sacramento do Batismo em Contexto Ecuménico


quinta-feira, 23 de abril de 2015

Organizações da Igreja Católica pedem mais atenção para com as vítimas da imigração forçada

Lisboa, 23 abril de 2015 - Consternação e indignação é o sentimento que une várias organizações da Igreja Católica numa manifestação de solidariedade e de alerta para a atual situação de muitos migrantes que têm sido ultrajados na sua dignidade humana ao tentarem atravessar fronteiras à procura das mais básicas condições para a sua sobrevivência.
Este ano, mais de 1500 pessoas morreram no Mar Mediterrâneo, um número 50 vezes superior ao de 2014. Os acontecimentos dos últimos dias, nomeadamente a morte de mais de 700 pessoas que se viram trancadas no porão do navio, e muitos outros já vividos não só no nesta região mas também noutros lugares onde a imigração é considerada irregular face às leis humanas vigentes, obrigam-nos a não ficar calados, sob pena de sermos cúmplices de um verdadeiro massacre que deveria envergonhar o mundo, particularmente os que têm responsabilidades políticas.
Agência Ecclesia, Cáritas Portuguesa, Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal (CIRP), Comissão Nacional Justiça e Paz, Comissão Nacional Justiça, Paz e Ecologia dos Religiosos, Departamento Nacional da Pastoral Juvenil, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre, Obra Católica Portuguesa de Migrações, Rádio Renascença , Serviço Jesuíta aos Refugiados e Sociedade de São Vicente de Paulo apelam a todos os portugueses para que, no próximo domingo, dia 26 de abril, coloquem nas suas janelas um pano branco ou usem uma peça de roupa branca e se unam, em oração ou num minuto de silêncio, aos milhares de pessoas que se sentem solidárias com todos os que buscam uma vida melhor para si e para as suas famílias e partem diariamente das suas terras na procura legítima de melhores condições de vida
Em todas as eucaristias celebradas no próximo domingo, será incluída uma prece no momento da Oração dos Fiéis, rogando a Deus que nos ajude a construir “uma só família humana”.
As organizações da Igreja Católica, com o apoio da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana, lembram que todas estas pessoas “são pessoas como nós que se vêm obrigadas a fugir do seu país porque vivem situações que ferem gravemente a sua dignidade e colocam em risco a sua sobrevivência e das suas famílias”.
Acreditamos que a União Europeia pode e deve fazer mais por cada uma destas pessoas, nomeadamente, olhando de forma diferente para os seus países de origem. As organizações da Igreja Católica pedem medidas que ultrapassem a excessiva preocupação securitária e de controlo de fronteiras e que se pensem alternativas de maior humanização.
Um gesto tão simples como este que agora se propõem é uma manifestação de indignação e, para além disso, deverá ser entendido como uma adesão pessoal e institucional à realidade vivida nas periferias e o inconformismo com uma cultura do descartável.
“São homens e mulheres como nós, irmãos que procuram uma vida melhor, famintos, perseguidos, feridos, explorados, vítimas de guerras. Procuram uma vida melhor, procuravam a felicidade.” (Papa Francisco)
#somostodospessoas

Forma

terça-feira, 21 de abril de 2015

Vaticano pede união de budistas e cristãos no combate à escravidão moderna | Agência Ecclesia

Agência Ecclesia - Diálogo Inter-religioso: Vaticano pede união de budistas e cristãos no combate à escravidão moderna: Cidade do Vaticano, 20 abr 2015 (Ecclesia) – A Santa Sé enviou hoje uma mensagem aos budistas de todo o mundo, por ocasião da sua principal festividade, o Vesakh/Hanamatsuri, apelando à união dos crentes no combate à escravidão moderna.
 “Queridos amigos, partilhamos a convicção de que a escravidão moderna e o tráfico de seres humanos são crimes graves, feridas abertas no corpo da sociedade atual”, assinala o presidente do Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, cardeal Jean-Louis Tauran. ...

segunda-feira, 20 de abril de 2015

A barbárie e a indiferença - DN

A barbárie e a indiferença - Opinião - DN: O direito à liberdade religiosa é um direito fundamental garantido pela Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948. Mas acaba por ser um dos menos respeitados. De facto, o cristianismo já esteve do lado dos perseguidores, hoje é a religião mais perseguida. Os dados são verdadeiramente trágicos, a ponto de o Papa Francisco ter feito um apelo à comunidade internacional para que não permaneça "silenciosa e inerte". Na via-sacra de Sexta-Feira Santa foram lembrados todos os que presentemente são perseguidos, nomeadamente na Síria, no Iraque, no Egipto, na Nigéria, no Quénia, na Coreia do Norte: "Os nossos irmãos são perseguidos, decapitados, crucificados por causa da sua fé, sob o nosso silêncio cúmplice." O secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros espanhol, Ignacio Ybáñez, também reconheceu nesta semana que "presentemente a situação é dramática", atingindo o seu auge com o Estado Islâmico: "Em cada hora que passa um cristão é morto." ...

terça-feira, 14 de abril de 2015

Líderes religiosos sublinham «imperativo moral» de acabar com a pobreza extrema | Agência Ecclesia

Agência Ecclesia - Mundo: Líderes religiosos sublinham «imperativo moral» de acabar com a pobreza extrema: Cidade do Vaticano, 14 abr 2015 (Ecclesia) – Mais de 30 líderes religiosos e chefes de organizações sociocaritativas como a Cáritas Internacional (CI) uniram esforços com o Banco Mundial para acabar com a pobreza extrema até 2030.
Numa declaração conjunta intitulada “Acabar com a pobreza extrema: Um imperativo moral e espiritual”, os responsáveis envolvidos reconhecem o “progresso notável que tem sido conseguido” nesta área. ...

European Groups Support Global Campaign on Military Spending | Pax Christi International

European Groups Support Global Campaign on Military Spending | Pax Christi: “The world is over-armed and peace is under-funded.” - Ban Ki-moon

Statement on the Global Day Against Military Spending (GDAMS), 13 April 2015, part of the Global Campaign on Military Spending (GCOMS). The aim of the campaign is to raise awareness of military spending and alternatives.

Across the EU, governments spend a total of 255 Billion euro on the military. This is grossly excessive and contributes to insecurity for many people around the world.

We call on EU Member States, the European Commission, and the European Parliament to:
  • reduce their reliance on military responses to security challenges, which are discredited 
  • invest in peacebuilding, development, curbing climate change or public services. ...

segunda-feira, 13 de abril de 2015

World Military Expenditure 2014 - Military investment is still a significant global problem | Pax Christi

World Military Expenditure 2014 - Military investment is still a significant global problem | Pax Christi: On this Global Day of Action on Military Spending, 13 April 2015, Pax Christi International expresses deep concern about the scandal of excessive military spending in a world where human and ecological well-being are in dire need of investment. Figures recently published by SIPRI, the Stockholm International Peace Research Institute, estimate world military expenditures in real terms for 2014 at roughly $ 1.8 trillion, a significant increase from the already shocking $ 1.75 trillion spent in 2013.

The top 10 spenders in 2014 are the United States (USA), China, Russia, Saudi Arabia, France, United Kingdom, India, Germany, Japan and South Korea. Although the USA has decreased its military expenditure to some extent due to limits imposed by Budget Control Act, China and Russia, but especially Saudi Arabia, have significantly increased their budgets.

While Western Europe’s military expenditures have continued to fall due to austerity measures, spending increased again in Central Europe, led by Poland. Military expenditures in Ukraine are significantly higher and there are signs that the crisis over Ukraine is leading to a further increase spending in many Central European and Nordic countries in 2015.

SIPRI figures point to large increases in military spending in Eastern Europe, including in Russia and Ukraine, in the Middle East and in Africa, both Northern and sub-Saharan. A significant increase is also evident in Asia and Oceania, led by China.

Pax Christi International is very concerned about and wishes to bring attention to the increasing military expenditures in the following regions and countries:

  • Africa (significant increase). Top 5 spenders in 2014 are Algeria, Angola, Morocco, South Africa and Libya. Increasing military expenditure in Republic of Congo, Namibia, Zambia, Guinea, Sierra Leone, Tunisia, Seychelles, Algeria, Cape Verde, Tanzania and South Sudan. 
  • Middle East (significant increase). Top 5 spenders are Saudi Arabia, the United Arab Emirates (UAE), Turkey, Israel and Iran. Increase in Lebanon and Iraq. 
  • Asia and Oceania (significant increase). Top 5 are China, Japan, India, South Korea and Australia. Increase in Brunei, Papua New Guinea, Afghanistan, Kyrgyzstan and Cambodia. 
  • Europe. Top 5 are Russia, France, United Kingdom, Germany and Italy. Increase in Ukraine, Montenegro, Poland and Malta. 
  • Central and South America. Top 5 are Brazil, Colombia, Mexico, Venezuela and Chili. Increase in Paraguay and Mexico. 

Roughly three-quarters of all countries in the world imported major conventional weapons during 2010-2014. Just 10 countries accounted for roughly half of all imports of major conventional weapons during this period. The USA and Russia dominate global arms exports concerning major conventional weapons. The USA accounted for 31 % and Russia has 27 % of the market (2010 – 2014). ...

domingo, 12 de abril de 2015

Papa Francisco aos arménios: Esconder ou negar o mal é como deixar que uma ferida continue a sangrar sem a tratar

SAUDAÇÃO DO SANTO PADRE NO INÍCIO DA SANTA MISSA PARA OS FIÉIS DE RITO ARMÉNIO

Queridos irmãos e irmãs arménios,

Amados irmãos e irmãs!

Em várias ocasiões, defini este tempo como um tempo de guerra, uma terceira guerra mundial combatida «por pedaços», assistindo nós diariamente a crimes hediondos, a massacres sangrentos e à loucura da destruição. Ainda hoje, infelizmente, ouvimos o grito, abafado e transcurado, de muitos dos nossos irmãos e irmãs inermes que, por causa da sua fé em Cristo ou da sua pertença étnica, são pública e atrozmente assassinados – decapitados, crucificados, queimados vivos – ou então forçados a abandonar a sua terra.

Também hoje estamos a viver uma espécie de genocídio, causado pela indiferença geral e colectiva, pelo silêncio cúmplice de Caim, que exclama: «A mim, que me importa? (…) Sou, porventura, guarda do meu irmão?» (Gn 4, 9; Homilia em Redipuglia, 13 de Setembro de 2014).

No século passado, a nossa humanidade viveu três grandes e inauditas tragédias: a primeira, que geralmente é considerada como «o primeiro genocídio do século XX» (JOÃO PAULO II E KAREKIN II, Declaração Conjunta, Etchmiadzin, 27 de Setembro de 2001), atingiu o vosso povo arménio – a primeira nação cristã – juntamente com os sírios católicos e ortodoxos, os assírios, os caldeus e os gregos. Foram mortos bispos, sacerdotes, religiosos, mulheres, homens, idosos e até crianças e doentes indefesos. As outras duas são as perpetradas pelo nazismo e pelo estalinismo. E, mais recentemente, houve outros extermínios de massa, como os do Camboja, do Ruanda, do Burundi, da Bósnia. E todavia parece que a humanidade não consiga parar de derramar sangue inocente. Parece que o entusiasmo surgido no final da II Guerra Mundial esteja a desaparecer e dissolver-se. Parece que a família humana se recuse a aprender com os seus próprios erros causados pela lei do terror; e, assim, ainda hoje há quem procure eliminar os seus semelhantes, com a ajuda de alguns e o silêncio cúmplice de outros que permanecem espectadores. Ainda não aprendemos que «a guerra é uma loucura, um inútil massacre» (cf. Homilia em Redipuglia, 13 de Setembro de 2014).

Hoje, queridos fiéis arménios, recordamos – com o coração trespassado pela dor mas repleto da esperança no Senhor Ressuscitado – o centenário daquele trágico acontecimento, daquele enorme e louco extermínio que cruelmente sofreram os vossos antepassados. Recordá-los é necessário, antes forçoso, porque, quando não subsiste a memória, quer dizer que o mal ainda mantém aberta a ferida; esconder ou negar o mal é como deixar que uma ferida continue a sangrar sem a tratar!

Com afecto, vos saúdo e agradeço o vosso testemunho.

Saúdo e agradeço a presença do senhor Serž Sargsyan, Presidente da República da Arménia.

Saúdo cordialmente também os meus irmãos Patriarcas e Bispos: Sua Santidade Karekin II, Patriarca Supremo e Catholicos de Todos os Arménios; Sua Santidade Aram I, Catholicos da Grande Casa da Cilícia; Sua Beatitude Nerses Bedros XIX, Patriarca da Cilícia dos Arménios Católicos; os dois Catholicossatos da Igreja Apostólica Arménia e o Patriarcado da Igreja Armeno-Católica.

Com a firme certeza de que o mal nunca provém de Deus, infinitamente Bom, e radicados na fé, professamos que a crueldade não pode jamais ser atribuída à acção de Deus e, mais, não deve de forma alguma encontrar no seu Santo Nome qualquer justificação. Vivamos, juntos, esta Celebração, fixando o nosso olhar em Jesus Cristo Ressuscitado, Vencedor da morte e do mal!

Vatican.va

sábado, 11 de abril de 2015

PACEM IN TERRIS: On the encyclical’s anniversary, revisiting its prophetic vision | PAX CHRISTI USA

PACEM IN TERRIS: On the encyclical’s anniversary, revisiting its prophetic vision | PAX CHRISTI USA: Today is the 52nd anniversary of the papal encyclical Pacem in Terris (Peace on Earth). In recognition of this day and the document’s importance for our times, we revisit a message delivered by Pax Christi International Co-Presidents Marie Dennis and Bishop Kevin Dowling at the Pacem in Terris 50th anniversary conference in Rome, October 2-4, 2013. [...]

Dear Friends,
We bring you warm greetings from Pax Christi members working for peace and reconciliation on five continents and in 60 countries. Like you, we have been deeply inspired in recent weeks by the Holy Father’s powerful leadership of the world toward a nonviolent, diplomatic resolution to the crisis in Syria. His clear opposition to the use of military force touched our members deeply, giving them courage to continue their difficult work in situations where violence threatens to overwhelm. [...]
In many ways, Pacem in Terris is the Magna Carta of Pax Christi and we strongly affirm its relevance today. Although the bipolar geopolitical context in 1963 was profoundly different from our context in these early decades of the 21st century, Pacem in Terris clearly described the kind of political, social, economic and cultural conditions that could yet generate peace on earth. ...

Churches launch resource to end corporal punishment of children | World Council of Churches

Churches launch resource to end corporal punishment of children — World Council of Churches: A worship resource published by the Churches’ Network for Non-violence and the Global Initiative to End All Corporal Punishment of Children invites church leaders and Christian communities to help end corporal punishment of children. The Churches’ Network for Non-violence includes member churches of the World Council of Churches (WCC).
The resource titled Ending corporal punishment of children – a handbook for worship and gatherings, includes Bible study, prayers, vigils, liturgies and reflections and can be used for private or collective use. It can be adapted for the local context or used to trigger ideas for further studies or reflections. It is made available online to be used free of charge. ...

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Religionline: Cardeal Maradiaga no encontro Terra Justa, em Fafe...

Religionline: Cardeal Maradiaga no encontro Terra Justa, em Fafe...: Reportagem O cardeal Óscar Rodriguez Maradiaga nesta quarta-feira, em Fafe (foto Manuel Meira) À mesa do café Arcada, no centro de Fafe, o cardeal Óscar Rodriguez Maradiaga lembrou: “Todos estamos convidados à mesa. Não é preciso excluir ninguém, mas antes ir acrescentando lugares à mesa.”...

terça-feira, 7 de abril de 2015

Mensagem ecuménica assinala Dia Internacional dos roma | Agência Ecclesia

Agência Ecclesia - Igreja/Ciganos: Mensagem ecuménica assinala Dia Internacional dos roma: Lisboa, 07 abr 2015 (Ecclesia) - As conferências episcopais católicas e as Igrejas cristãs na Europa emitiram hoje uma mensagem conjunta contra a discriminação da população rom, a respeito do Dia Internacional dos Ciganos, que se assinala anualmente a 8 de abril. ...

MENSAGEM URBI ET ORBI DO PAPA FRANCISCO

Queridos irmãos e irmãs,

Feliz Páscoa

Jesus Cristo ressuscitou!

O amor venceu o ódio, a vida venceu a morte, a luz afugentou as trevas!

Por nosso amor, Jesus Cristo despojou-Se da sua glória divina; esvaziou-Se a Si próprio, assumiu a forma de servo e humilhou-Se até à morte, e morte de cruz. Por isso, Deus O exaltou e fê-Lo Senhor do universo. Jesus é Senhor!

Com a sua morte e ressurreição, Jesus indica a todos o caminho da vida e da felicidade: este caminho é a humildade, que inclui a humilhação. Esta é a estrada que leva à glória. Somente quem se humilha pode caminhar para as «coisas do alto», para Deus (cf. Col 3, 1-4). O orgulhoso olha «de cima para baixo», o humilde olha «de baixo para cima».

Na manhã de Páscoa, informados pelas mulheres, Pedro e João correram até ao sepulcro e encontraram-no aberto e vazio. Então aproximaram-se e «inclinaram-se» para entrar no sepulcro. Para entrar no mistério, é preciso «inclinar-se», abaixar-se. Somente quem se abaixa compreende a glorificação de Jesus e pode segui-Lo na sua estrada.

A proposta do mundo é impor-se a todo o custo, competir, fazer-se valer… Mas os cristãos, pela graça de Cristo morto e ressuscitado, são os rebentos duma outra humanidade, em que se procura viver ao serviço uns dos outros, ser não arrogantes mas disponíveis e respeitadores.

Isto não é fraqueza, mas verdadeira força! Quem traz dentro de si a força de Deus, o seu amor e a sua justiça, não precisa de usar violência, mas fala e age com a força da verdade, da beleza e do amor.

Do Senhor ressuscitado imploramos hoje a graça de não cedermos ao orgulho que alimenta a violência e as guerras, mas termos a coragem humilde do perdão e da paz. A Jesus vitorioso pedimos que alivie os sofrimentos de tantos irmãos nossos perseguidos por causa do seu nome, bem como de todos aqueles que sofrem injustamente as consequências dos conflitos e das violências em curso, e que são tantas.

Pedimos paz, antes de tudo, para a amada Síria e o Iraque, para que cesse o fragor das armas e se restabeleça a boa convivência entre os diferentes grupos que compõem estes amados países. Que a comunidade internacional não permaneça inerte perante a imensa tragédia humanitária no interior destes países e o drama dos numerosos refugiados.

Imploramos paz para todos os habitantes da Terra Santa. Possa crescer entre israelitas e palestinenses a cultura do encontro e se retome o processo de paz a fim de pôr termo a tantos anos de sofrimentos e divisões.

Suplicamos paz para a Líbia a fim de que cesse o absurdo derramamento de sangue em curso e toda a bárbara violência, e aqueles que têm a peito o destino do país se esforcem por favorecer a reconciliação e construir uma sociedade fraterna que respeite a dignidade da pessoa. E almejamos que, também no Iémen, prevaleça uma vontade comum de pacificação a bem de toda a população.

Ao mesmo tempo, confiamos esperançosos ao Senhor, que é tão misericordioso, o acordo alcançado nestes dias em Lausanne, a fim de que seja um passo definitivo para um mundo mais seguro e fraterno.

Do Senhor Ressuscitado imploramos o dom da paz para a Nigéria, o Sudão do Sul e as várias regiões do Sudão e da República Democrática do Congo. De todas as pessoas de boa vontade se eleve incessante oração por aqueles que perderam a vida assassinados na quinta-feira passada numa Universidade de Garissa, no Quénia, por quantos foram raptados, por quem teve de abandonar a própria casa e os seus entes queridos.

A Ressurreição do Senhor leve luz à amada Ucrânia, sobretudo àqueles que sofreram as violências do conflito nos últimos meses. Possa o país reencontrar paz e esperança, graças ao empenho de todos as partes interessadas.

Paz e liberdade, pedimos para tantos homens e mulheres, sujeitos a formas novas e antigas de escravidão por parte de indivíduos e organizações criminosas. Paz e liberdade para as vítimas dos traficantes de droga, muitas vezes aliados com os poderes que deveriam defender a paz e a harmonia na família humana. E paz pedimos para este mundo sujeito aos traficantes de armas, que lucram com o sangue dos homens e das mulheres.

Aos marginalizados, aos encarcerados, aos pobres e aos migrantes que tantas vezes são rejeitados, maltratados e descartados; aos doentes e atribulados; às crianças, especialmente as vítimas de violência; a quantos estão hoje de luto; a todos os homens e mulheres de boa vontade chegue a voz consoladora e curativa do Senhor Jesus: «A paz esteja convosco!» (Lc 24, 36). «Não temais! Ressuscitei e estou convosco para sempre!» (cf. Missal Romano, Antífona de Entrada no dia de Páscoa).

Vatican.va

Etiquetas:

sábado, 4 de abril de 2015

Ecumenical Easter letter from the Archbishop of Canterbury | Anglicannews.org

Ecumenical Easter letter from the Archbishop of Canterbury:
“Rejoice, O Mother Church! Exult in glory! The risen Saviour, our Lord of life, shines upon you! Let all God’s people sing and shout for joy!”.
These words of triumph are sung out across churches as Easter dawns. For centuries such sounds of joy at the Easter festival have echoed and continue to echo around the globe in a multitude of different tongues and cultural contexts, making a deep impact on the lives of Christians and Churches. With the confession of Jesus having conquered death we proclaim that we have been raised to new life in him. ...
[...]
Christ’s resurrection, therefore, also compels us to ever closer bonds of Christian fellowship with one another – the saints in the here and now - to seek greater unity and work together with Christ, as his Body, in the newness of life already begun by him.
It is in this spirit that I greet you with this letter.
I will continue to pray that the hope and joy of the resurrected Christ will deeply move our hearts and souls, that it will heal relationships between individuals, communities and nations, and that it will banish fear, overcome suffering, broker peace and bring reconciliation.
I close with the Song of Zechariah (Luke 1:78): “By the tender mercy of our God, the dawn from on high will break upon us, to give light to those that sit in darkness and in the shadow of death, and to guide our feet into the way of peace.”
I embrace you with brotherly love in the Risen Christ,
The Most Revd and Rt Hon Justin Welby
Archbishop of Canterbury

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Mensaje de Pascua de los Jefes de las Iglesias de Jerusalén | Patriarcado Latino de Jerusalén


Mensaje de Pascua de los Jefes de las Iglesias de Jerusalén | Patriarcado Latino de Jerusalén: “Bendito el Dios y Padre de nuestro Señor Jesucristo, que según su grande misericordia nos hizo renacer para una esperanza viva, por la resurrección de Jesucristo de los muertos” (1 Pedro 1:3). Nosotros, los patriarcas y jefes de las Iglesias de Jerusalén, enviamos nuestros saludos y bendiciones de Pascua a todas las personas, en todas partes, en el nombre de nuestro Salvador resucitado, Jesucristo. En vista de las tantas amenazas que desvalorizan o disminuyen la vida humana, la esperanza que brota de la Resurrección está enraizada aquí en Jerusalén. El mensaje de la Pascua ha dado forma a la identidad misma de esta Ciudad Santa durante muchos siglos. Aquí se encuentra el sitio de la tumba vacía, el lugar donde la soberanía de Dios sobre la muerte y los poderes de las tinieblas se manifestó en la resurrección de Jesús de entre los muertos. ...

Houve mais condenações à morte em 2014. China é recordista de execuções | Renascença

Houve mais condenações à morte em 2014. China é recordista de execuções - Renascença: Em 2014, houve mais condenações por pena de morte, mas menos execuções do que no ano anterior. Os dados constam do mais recente relatório da Amnistia Internacional, divulgado esta quarta-feira.
O documento aponta para um aumento de cerca de 30% de condenações por pena capital em relação a 2013. Foram proferidas quase 2.500 sentenças de morte em 55 países.
Egipto e Nigéria foram os que mais contribuíram para este aumento. ...

Recomendação da Assembleia da República ao Governo para que reconheça o Estado da Palestina em coordenação com a União Europeia

Resolução da Assembleia da República n.º 30/2015

Recomenda ao Governo que reconheça o Estado da Palestinaem coordenação com a União Europeia

A Assembleia da República resolve, nos termos do n.º 5 do artigo 166.º da Constituição, recomendar ao Governo que:
1 - Reconheça, em coordenação com a União Europeia, o Estado da Palestina como um Estado independente e soberano, de acordo com os princípios estabelecidos pelo Direito Internacional.
2 - Em conjunto com os seus parceiros da União Europeia e internacionais, continue a promover o diálogo e a coexistência pacífica de dois Estados democráticos, Israel e Palestina, pois só através de negociações será possível garantir a segurança e a paz naquela região.

Aprovada em 12 de dezembro de 2014.

A Presidente da Assembleia da República, Maria da Assunção A. Esteves.

(Diário da República, 1.ª série — N.º 64 — 1 de abril de 2015)

Etiquetas: